Comunicados de imprensa


Resultados do 3º trimestre e primeiros nove meses de 2021 - <p><strong>A Galp apresenta hoje os resultados do terceiro trimestre e primeiros noves meses de 2021.</strong></p> <p><em>A Galp apresentou um conjunto de resultados robustos este trimestre, capturando a melhoria das condições macroeconómicas, nomeadamente os preços mais elevados do Brent, as melhores margens de refinação internacionais e os preços favoráveis de eletricidade na Península Ibérica. O nosso Ebitda ultrapassou os &euro;600 m, num trimestre onde enfrentámos ainda alguns desafios operacionais, o que nos dá margem para melhorar ainda mais o nosso desempenho no futuro.</em></p> <p><em>A nossa geração de caixa refletiu um efeito temporário relacionado com os nossos derivados para a mitigação do risco associado às diferenças de preços entre o aprovisionamento e fornecimento de gás natural, os quais foram impactados pela recente volatilidade registada nos mercados. Embora o nosso rácio de dívida líquida para Ebitda tenha aumentado ligeiramente, continuamos confiantes que o nosso fluxo de caixa vai permitir uma desalavancagem o que, juntamente com o caráter temporário destes efeitos, suportará uma remuneração acionista competitiva em relação a 2021.</em></p> <p><em>Continuámos a nossa execução de acordo com o nosso compromisso de crescimento, tanto nos nossos negócios tradicionais como na expansão dos nossos projetos de energias renováveis, tendo igualmente dado passos importantes para assegurar o acesso a financiamento e desenvolvimento dos nossos negócios de baixo carbono. Estamos entusiasmados com a continua execução desta nossa aposta estratégica para os Renováveis, onde expandimos dentro e fora da Península Ibérica com a entrada no Brasil, contando atualmente com um portefólio de c.4,7 GW de capacidade bruta. Estes são tempos importantes na história da Galp e estou confiante de que estamos no caminho certo para prosperar na transição energética.</em></p> <p><strong>Andy Brown, CEO da Galp</strong></p>
BEI e Galp acordam o financiamento de €732 milhões para promover ações climáticas e a coesão social em Espanha e Portugal - <p><strong>Três empréstimos assinados entre o BEI e a Galp num montante total de &euro;406.5 milhões:</strong></p> <ul> <li>Empréstimo de energia verde do BEI no valor de &euro;325 milhões para financiar parques solares da Galp com uma capacidade total de cerca de 2 GWp em Espanha. Adicionalmente, foi aprovado um montante de &euro;325 milhões para ser emprestado pelo BEI sob o formato de Project Finance, numa fase posterior.</li> <li>Empréstimo de energia verde do BEI no valor de &euro;40 milhões para financiar parques solares da Galp com uma capacidade total de 144 MWp no Algarve, Portugal.</li> <li>Empréstimo de &euro;41,5 milhões do BEI para apoiar o projeto de mobilidade elétrica da Galp, que consiste na implantação de 5.500 pontos de carregamento em toda a Península Ibérica.</li> </ul> <p>O Banco Europeu de Investimento (BEI) e a Galp assinaram três acordos de financiamento para a construção de parques de energia solar e a implantação de estações de carregamento de veículos elétricos (VE) em toda a Península Ibérica, promovendo ações climáticas e a coesão social em algumas das regiões mais frágeis em matéria de resiliência climática e económica.</p> <p>Globalmente, Galp e o BEI assinaram um financiamento total de &euro;406,5 milhões, o qual poderá aumentar até &euro;731,5 milhões numa fase posterior, com um montante adicional aprovado de &euro;325 milhões. No total, os três projetos apoiam ações climáticas e a coesão social, e irão gerar em média um total de 3,6 TWh de energia renovável/ano, o equivalente ao consumo de energia de aproximadamente 940.000 lares.</p> <p>O banco da UE está altamente empenhado com os esforços da União Europeia para ser <em><a href="https://ec.europa.eu/clima/policies/strategies/2050_en" target="_blank">climate-neutral até 2050</a></em>. Através do <em><a href="https://www.eib.org/en/press/all/2020-307-eu-member-states-approve-eib-group-climate-bank-roadmap-2021-2025" target="_blank">Climate Bank Roadmap</a></em>, o BEI pretende mobilizar &euro;1 trilhão para investimentos em ações climáticas e de sustentabilidade ambiental, durante a década crítica que termina em 2030. Para esse efeito, o Banco irá aumentar gradualmente o financiamento que atribui a estes objetivos para 50% até 2025.</p> <p>A Galp está totalmente empenhada em ser uma empresa <em>net zero emissions</em> até 2050, com objetivos de descarbonização intermédios até 2030. Na sua jornada transformacional, a Galp é um dos principais produtores de energia solar fotovoltaica na Península Ibérica, e comprometeu-se a atribuir metade do seu <em>capex</em> líquido de 2021-2025 a projetos relacionados com a transição para um modelo energético de baixo carbono, incluindo 30% em energias renováveis e 5% em novos negócios.</p> <p><em>&quot;Temos o prazer de apoiar a Galp no seu percurso de descarbonização e unir forças para promover ações climáticas e a geração de energia renovável tanto em Espanha como em Portugal. Estes três projetos contribuem para os objetivos estabelecidos no Green Deal da UE e irão apoiar os objetivos de descarbonização dos países, ao mesmo tempo que impulsionam o crescimento económico, a criação de emprego e a coesão social&quot;,</em> disse o <strong>Vice-Presidente do BEI, </strong><strong><a href="https://www.eib.org/en/about/governance-and-structure/statutory-bodies/management-committee/members/ricardo-mourinho-felix.htm" target="_blank">Ricardo Mourinho Félix</a></strong><strong>.</strong><em> &quot;Voltar a construir melhor, mais verde e mais justo não é apenas um slogan, mas um imperativo. Não há vacina para prevenir a crise climática. A única forma de avançar é promover investimentos verdes e sustentáveis e assegurar uma transição justa para todos. O BEI está 100% comprometido com este objetivo; ação climática e a transição justa está no nosso ADN&quot;.</em></p> <p><em>&ldquo;O compromisso da Galp em se tornar uma empresa neutra em carbono obriga-nos a sermos ousados nas ações que tomamos hoje, enquanto nos certificamos de que prosperamos durante a transição energética&quot;, refere o CEO da Galp&nbsp;</em><a href="https://www.galp.com/corp/en/corporate-governance/governing-model-and-bodies/executive-committee" target="_blank"><strong>Andy Brown</strong></a>. &ldquo;<em>O nosso plano de reformular o nosso portfólio já está em curso, com a Galp a acelerar a integração de soluções energéticas de baixa ou nenhuma presença de carbono nos nossos negócios. O apoio do BEI é fundamental para nos ajudar a aumentar o ritmo de desenvolvimento desses projetos&quot; acrescentou.</em></p> <p><strong>Empréstimo do BEI de </strong><strong>&euro;325 milhões para financiar o projeto fotovoltaico da Galp, o qual consiste num portfólio com uma capacidade de cerca de 2 GWp de parques de energia solar em Espanha</strong></p> <p>O maior acordo anunciado hoje consiste num empréstimo de energia verde do BEI no montante máximo de &euro;325 milhões, com o objetivo de financiar a construção de um grande número de parques de energia solar em Espanha, as quais estão a ser desenvolvidas pela Galp e cuja construção deverá começar nos próximos três anos, incluindo a infraestrutura auxiliar de interligação à rede. O portfólio destes sistemas inclui parques de energia solar fotovoltaicas de grande escala com uma capacidade total de cerca de 2 GWp, equivalente ao consumo anual de energia de 866.400 lares. Um montante adicional de &euro;325 milhões poderá também ser assinado sob o formato de <em>Project Finance</em> numa fase posterior, o que significa que o financiamento global do BEI para este projeto poderá ascender a &euro;650 milhões.</p> <p>Com dimensões que variam entre 24 MWp e 449 MWp, os parques de energia solar estarão localizados em todas as regiões da coesão de Espanha (Andaluzia, Aragão, Castela-Mancha e Estremadura).</p> <p>O financiamento do BEI irá promover a segurança do fornecimento energético, a luta contra as alterações climáticas, a criação de emprego e a coesão social, contribuindo simultaneamente para os objetivos espanhóis em matéria de energias renováveis estabelecidos nos Planos Nacionais Integrados para a Energia e o Clima (PNE).</p> <p><strong>Empréstimo do BEI de &euro;40 milhões para financiar o projeto fotovoltaico da Galp, o qual consiste em parques de energia solar fotovoltaicas com uma capacidade de 144 MWp na região do Algarve, Portugal</strong></p> <p>Como resultado do segundo acordo, o BEI irá conceder um empréstimo de energia verde de &euro;40 milhões à Galp para a construção e exploração de quatro parques de energia solar fotovoltaica interligados com uma capacidade total de 144 MWp no Algarve (sul de Portugal), no município de Alcoutim (Viçoso, 48,0 MWp; Pereiro, 18,7 MWp; São Marcos, 48,9 MWp; e Albercas, 28,4 MWp).</p> <p>Uma vez operacionais, espera-se que os quatro parques de energia solar produzam em média 230 GWh de energia renovável por ano, o equivalente ao consumo anual de energia de 72.800 lares. O acordo contribui para o objetivo vinculativo da Comissão Europeia de ter pelo menos 32% do consumo final de energia proveniente de fontes renováveis até 2030. Este projeto irá também ajudar Portugal a cumprir os seus objetivos do Plano Energético e Climático, que preveem 47% de fontes renováveis no consumo final bruto de energia até 2030.</p> <p>A produção bruta total da Galp em termos de geração operacional e de desenvolvimento de energias renováveis totaliza 4,7 GW distribuída por Portugal, Espanha e recentemente pelo Brasil, dos quais 926 MW já estão em funcionamento. A Empresa tem a ambição de, globalmente, superar 4 GW e 12 GW de capacidade operacional bruta até 2025 e 2030, respetivamente.</p> <p><strong>Empréstimo do BEI de &euro;41,5 milhões para promover o projeto de mobilidade elétrica da Galp, o qual consiste na instalação de pontos de carregamento de VE em Espanha e Portugal</strong></p> <p>O sector rodoviário é responsável por três quartos de todas as emissões dos transportes na União Europeia e não será possível atingir o objetivo da UE de neutralidade carbónica até 2050 sem uma mudança crucial para a mobilidade elétrica no sector rodoviário. Para contribuir para o objetivo da UE de implementar um milhão de estações de carregamento e reabastecimento nas estradas europeias até 2025, o BEI irá providenciar à Galp &euro;41,5 milhões para apoiar a implantação de uma rede de carregamento para VE distribuída por Espanha e Portugal.</p> <p>O projeto prevê a implantação de 5.500 pontos de carregamento até 2025, 55% dos quais serão localizados em regiões menos desenvolvidas e de coesão de transição em toda a Península Ibérica. Espera-se também que o acordo contribua para o desenvolvimento do mercado de infraestruturas de carregamento de veículos elétricos, melhorando o desempenho tecnológico, reduzindo os custos iniciais de equipamento, e mobilizando investimentos nas indústrias de veículos elétricos, contribuindo assim para veículos mais eficientes e acessíveis.</p> <p>Em conformidade com a Política de Empréstimos para Transportes do BEI, o projeto é apoiado pelo <em>Cleaner Transport Facility</em> (CTF) e beneficia do <em>Connecting Europe Facility Debt</em>, um instrumento financeiro que apoia os objetivos do CTF.</p> <p>A Galp tem a intenção de expandir a sua oferta de postos de carregamento para 10.000 até 2025 na Península Ibérica.</p>
Galp entra no negócio dos renováveis no Brasil com aquisição de 594 MWp de capacidade de solar - <p>A Galp acordou a aquisição e desenvolvimento de projetos solares no Brazil com capacidade total de 594 MWp, cumprindo as ambições de expansão nas energias renováveis e dando um salto importante na transformação do seu perfil de negócio e na redução da sua pegada carbónica.</p> <p>A operação envolve a aquisição de dois projetos solares em desenvolvimento nos estados da Bahia e do Rio Grande do Norte, com capacidades de 282 MWp e 312 MWp, respetivamente.</p> <p>Com estas transações, a Galp ganha acesso a ativos de elevada qualidade num país onde a Empresa está presente há mais de 20 anos e que se encontra entre os 10 principais países no mundo com maior procura de energia e com a ambição de duplicar a sua capacidade instalada atual de geração de energia solar e eólica para 40 GW em 2030.</p> <p>Os projetos deverão atingir a Data de Operação Comercial antes de 2025.</p> <p>Estes acordos inserem-se na estratégia da Galp que visa o crescimento de um portefólio competitivo de geração renovável bem como prosperar ao longo da transição energética, e estão alinhados com as orientações de alocação de capital e planos de diversificação geográfica apresentados em junho no Capital Markets Day.</p> <p>Com esta expansão de portefólio, a capacidade total a 100% de produção de energia renovável da Galp aumenta para c.4,7 GW, em Portugal, Espanha e agora Brasil, o que representa mais um passo na ambição da Empresa de ter mais de 4 GW em operação até 2025 e 12 GW até 2030.</p>
Galp patrocina primeiro carro elétrico português para TT - <ul> <li>T3 Offroad desenvolvido e fabricado pela empresa portuguesa ADESS AG já fez a sua pri-meira aparição na Baja de Reguengos de Monsaraz e estará em exposição na 5&ordf; edição do Salão do Automóvel Híbrido e Elétrico que decorrerá de 22 a 24 de outubro, na Alfândega do Porto</li> <li>Galp dá mais uma demonstração de pioneirismo na promoção da mobilidade sustentável através do apoio a um veículo de competição elétrico</li> </ul> <p>A Galp é patrocinadora oficial do primeiro carro elétrico português para corridas: o T3EV, um buggy elétrico de bateria com uma potência de 400KW, destinado a competir em ralis de curta distância, tradicionalmente designados por &ldquo;Baja&rdquo;.</p> <p>Projetado e fabricado pela empresa portuguesa ADESS AG &ndash; Advanced Design and Engineering Sys-tems Solutions AG &ndash;, este T3 Offroad fez a sua primeira aparição na &ldquo;Baja&rdquo; de Reguengos de Monsaraz (prólogo), que se realizou de 1 a 3 de outubro, onde teve uma boa performance. O buggy estará também em exposição no Salão do Automóvel Hibrido e Elétrico que decorrerá de 22 a 24 de Outubro, na Alfândega do Porto.</p> <p>Com este patrocínio ao primeiro carro elétrico português T3 Offroad, a Galp dá assim mais uma demonstração de pioneirismo na promoção da mobilidade sustentável e do uso de energias limpas, através de um veículo de competição elétrico de produção nacional que disputará no futuro em cor-ridas com carros de combustão interna.</p> <p>Sediada em Vialonga, a ADESS é uma empresa que se dedica a projetar, construir e desenvolver carros e motociclos de corrida, carros de alto desempenho e veículos elétricos dos mais altos padrões. Com uma bateria dupla, refrigerada a líquido, o T3EV tem uma capacidade da bateria de 54 kWh, autonomias de 70 kms em modo de corrida off-road e de 150 kms em modo de cruzeiro, e uma velocidade máxima de 140kms/h.</p> <p>O foco da ADESS na sustentabilidade e o desenvolvimento deste primeiro carro elétrico T3 Offroad foram os pilares que levaram a Galp a abraçar este projeto. Com o patrocínio ao T3EV a Empresa abre assim um novo canal para comunicar a sua posição de liderança em serviços de mobilidade elétrica no mercado português, onde a Galp prevê chegar ao fim deste ano com mais de 1.000 pontos de carregamento para veículos elétricos.</p> <p>&nbsp;</p>
Galp assina Manifesto para acelerar adoção e crescimento do Hidrogénio Verde na Europa - <ul> <li>Iniciativa define 12 ações que os decisores nacionais e europeus devem garantir para que o Hidrogénio Verde se desenvolva na Europa</li> <li>Manifesto é apoiado por mais de 80 empresas europeias envolvidas em projetos de produção ou utilização de hidrogénio renovável por todo o continente</li> <li>A Galp está a estudar o desenvolvimento de um grande parque de energia verde em Sines com base na produção de hidrogénio de base renovável&nbsp;</li> </ul> <p>A Galp tornou-se ontem um dos mais de 80 signatários do Manifesto pelo Hidrogénio Verde, que define um conjunto de 12 ações que os decisores políticos nacionais e europeus devem tomar se quiserem que a Europa continue na vanguarda do desenvolvimento de projetos de produção de hidrogénio a partir de fontes de energia renovável e da sua utilização.</p> <p>O Manifesto foi apresentado no Green Hydrogen Forum do Smarter E Europe 2021 Restart, o grande certame do setor da Energia europeu, que decorre até sexta-feira, em Munique. Os seus promotores são a Hydrogen Europe, a Associação Alemã do Hidrogénio (DWV), a The Smarter E, e o Fórum Europeu dos Eletrolisadores e Células de Combustível (EFCF).</p> <p>Entre as medidas defendidas pelos signatários incluem-se regras que permitam avaliar e comparar os diversos tipos de hidrogénio em função das suas emissões de CO2 ou da sua origem geográfica, critérios de sustentabilidade e a sua certificação.</p> <p>Em termos de estímulos, o manifesto pede apoios que reduzam os custos para os consumidores finais e que facilitem os investimentos na conversão de aparelhos industriais. Em termos de mercado, a implantação do hidrogénio verde requer a adoção de regulamentação específica, modalidades equilibradas de definição de preços de mercado ou o apoio à criação de redes de distribuição nacionais.&nbsp;</p> <p>A Galp assumiu a ambição de implementar na sua refinaria de Sines um parque de energia verde capaz de atrair indústrias para as quais o acesso a fontes de energia limpas e diversificadas seja um fator decisivo de competitividade, tirando partido da abundância de fontes de energia renováveis em Portugal, nomeadamente a energia eólica e fotovoltaica.</p> <p>A peça central deste projeto é a instalação gradual de capacidade de eletrólise ao longo dos próximos anos, que deverá atingir 100 MW em 2025 e entre 600 MW e 1 GW em 2030. O hidrogénio verde será fundamental para a descarbonização do processo de refinação e de setores como a indústria e o transporte pesado rodoviário, mas também para alimentar novas cadeias de produção de combustíveis sintéticos limpos, nomeadamente na aviação e marinha.</p> <p><a href="https://www.thesmartere.de/media/doc/615ae682045d375ff42c0a12" target="_blank">Download do manifesto original, em inglês</a>.</p>
Galp e ‘Pedalar Lisboa’ promovem ride nacional de bicicletas elétricas entre Lisboa e Faro para apoiar a Seleção Nacional - <ul> <li>Precursores do movimento &lsquo;Pedalar Lisboa&rsquo; realizam o primeiro ride nacional de E-bikes Lisboa&ndash;Algarve, em parceria com a Galp, para apoiar simbolicamente a Seleção Nacional de futebol e promover a mobilidade sustentável</li> <li>Iniciativa contará com 12 bicicletas elétricas Galp RYDE e pretende dar visibilidade à mais recente aposta da Galp para a oferta de soluções de micro-mobilidade urbana</li> </ul> <p>O primeiro grande ride nacional de bicicletas elétricas está a chegar, com uma ligação entre Lisboa e o Algarve promovida pela energia da Galp e das suas novas e-bikes Galp Ryde. Ao todo, serão 12 as bicicletas elétricas da Galp vão arrancar, no dia 10 de outubro, da Cidade do Futebol, em Oeiras, em direção ao Sul, prevendo-se a chegada da comitiva de ciclistas no dia 12 de outubro ao Estádio do Algarve, em Faro.&nbsp;</p> <p>O objetivo é apoiar a Seleção Nacional no jogo de qualificação para o Mundial2022, frente ao Luxemburgo, ao mesmo tempo que se promove a mobilidade sustentável. O percurso será partilhado nas redes sociais do <a href="https://www.instagram.com/correrlisboa/" target="_blank">Correr Lisboa</a>, do&nbsp;<a href="https://www.instagram.com/pedalarlisboa/" target="_blank">Pedalar Lisboa</a>&nbsp;e também da <a href="https://www.instagram.com/galp/" target="_blank">Galp</a>, que promoverão esta aventura de dois dias na esperança de motivar cada vez mais portugueses a aderirem ao uso de bicicletas para deslocações em ambiente urbano.</p> <p>O evento será presidido por Bruno Claro e Sandra Claro, fundadores das iniciativas <a href="https://www.instagram.com/correrlisboa/" target="_blank">Correr Lisboa</a> e <a href="https://www.instagram.com/pedalarlisboa/" target="_blank">Pedalar Lisboa</a>, e para quem &ldquo;a corrida foi só o começo&rdquo;. &ldquo;Com o aumento das preocupações ambientais e sempre com a intenção de promover hábitos de vida saudável passámos a nossa paixão para as bicicletas e para mobilidade urbana&rdquo;, explica Bruno Claro.</p> <p><a href="https://www.galp.com/corp/pt/sobre-nos/a-galp/galp-ryde" target="_blank">Galp Ryde</a> &ndash; acrónimo de Regenerate Your Dynamic Energy &ndash; é o nome do novo conceito da Galp para a área da micro-mobilidade elétrica em ambiente urbano. Uma aposta que pretende dar mais um passo no território da mobilidade sustentável, assente na mobilidade elétrica, com bicicletas construídas em parceria com a marca portuguesa Esmaltina e cuja comercialização está a ser avaliada.</p> <p>A promoção desta nova solução de mobilidade vai ser promovida internamente pela Galp através da cedência de E-bikes Galp Ryde aos seus colaboradores, seja na sede em Portugal, ou nos escritórios em Espanha.</p> <p>Com 100 quilómetros de autonomia quando completamente carregadas, as bicicletas <a href="https://www.galp.com/corp/pt/sobre-nos/a-galp/galp-ryde" target="_blank">Galp Ryde</a> podem ser facilmente carregadas em qualquer ficha elétrica, necessitando de cerca de 4 horas para carregar a capacidade máxima.&nbsp;</p>
Galp reforça liderança na mobilidade elétrica em Portugal com aquisição da Mobiletric - <ul> <li>Transação permite expansão da rede de carregamento elétrico da Galp no curto prazo em 280 pontos.</li> <li>Galp reforça a ambição de ter 10 mil pontos de carregamento em operação na Península Ibérica até ao final de 2025.</li> </ul>
Galp mantém distinção máxima no índice de sustentabilidade MSCI ESG Ratings - <p>A Galp obteve, pelo quarto ano consecutivo, a classificação triple-A (AAA) no MSCI ESG Ratings e a posição de liderança mundial no setor integrado de Oil &amp; Gas, mantendo-se no top 3 das empresas com os melhores desempenhos em matérias ambientais, sociais e de governo corporativo (ESG). Esta é a mais alta classificação nos ratings da Morgan Stanley Capital International (MSCI).</p> <p>Esta classificação vê reconhecida a capacidade de gestão de riscos ESG específicos do setor, tendo a Galp obtido particular destaque nos critérios de Biodiversidade &amp; Uso do Solo, Emissões de Carbono e Relações com as Comunidades.</p> <p>A Galp está fortemente comprometida com as melhores práticas de ESG e com a criação de valor sustentável para todos os seus stakeholders, sendo um operador integrado de energia eficiente e competitivo que desenvolve negócios rentáveis e sustentáveis de forma ética e responsável.</p> <p>O MSCI ESG Ratings foi concebido com o objetivo de avaliar a capacidade de resiliência a longo prazo das empresas expostas a riscos de ESG. As classificações variam entre leader (AAA, AA), average (A, BBB, BB) e laggard (B, CCC).</p>
Galp patrocinou ‘World Bike Tour’ e testa conceito Galp Ryde para mobilidade urbana - <ul> <li>Galp marcou presença no World Bike Tour e estreou a categoria de mobilidade elétrica no evento com 45 bicicletas elétricas guiadas por colaboradores da empresa.&nbsp;</li> <li>Novo conceito Galp Ryde representa a aproximação da energética a novas tendências no território da mobilidade urbana sustentável e será utilizado em ações de ativação e desenvolvimento de produtos, serviços e parcerias nesta área.</li> </ul>
Galp adquire 220 MW de projetos solares em Espanha expandindo o seu portefólio de renováveis para mais de 4 GW - <ul> <li>A Galp assinou acordos finais com a Enerland para a aquisição, desenvolvimento e construção de um portefólio renovável em Espanha, com uma capacidade agregada de c.220 MW.</li> <li>A operação envolve a aquisição de um cluster de projetos que totalizam 62 MW em Saragoça, com início de construção para breve - fase Ready-to-Build (RTB) - e Data de Operação Comercial (COD) prevista para 2022. Adicionalmente, compreende três projetos nas Comunidades Autónomas de Castela e Leão e Aragão totalizando 161 MW em estado avançado de desenvolvimento, com COD prevista para 2023.</li> <li>Este acordo insere-se na estratégia da Galp que visa o crescimento de um portefólio competitivo de geração renovável e está alinhado com as orientações de alocação de capital apresentadas em junho no Capital Markets Day.</li> <li>Com esta expansão no portefólio, a capacidade total a 100% de produção de energia renovável da Galp aumenta para c.4,1 GW na Península Ibérica, dos quais 926 MW já se encontram em operação. Esta aquisição representa mais um passo na ambição da Empresa de ter mais de 4 GW em operação até 2025 e 12 GW até 2030.</li> </ul> <p>&nbsp;</p>
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
46
47
48
49
50
51
52
53
54
55
56
57
58
59
60
61
62

Imprimir

Partilhar: