Estrutura acionista

O capital social da Galp é composto por 829.250.635 ações. Conheça os nossos principais acionistas, bem como os investidores institucionais. Consulte também as participações qualificadas.

Capital social

Das 829.250.635 ações que compõem o capital social da Galp, 771.171.121, ou seja, 93% do capital social, estão admitidas à negociação na Euronext Lisbon, desde o dia 23 de outubro de 2006. As restantes 58.079.514 ações, que representam 7% do capital social, são detidas indiretamente pelo Estado português através da Parpública, e não estão admitidas à negociação. 

De notar que o free-float corresponde a 490.757.134 ações, ou seja 59,18% do total do capital social.

Principais acionistas

Investidores institucionais

A estrutura acionista da Galp tem uma representação de investidores institucionais estrangeiros cada vez mais elevada, o que contribui para uma diversificação geográfica da base de acionistas.

 

Participações qualificadas

As participações qualificadas no capital social da Galp, foram calculadas de acordo com o artigo 16.º e 20.º do Código dos Valores Mobiliários.

Segundo estes artigos, os acionistas da Galp têm que notificar a Empresa sempre que as suas participações atinjam, ultrapassem ou se reduzam em relação a determinados limites. Estes limites são 2%, 5%, 10%, 15%, 20%, 25%, 1/3, 50%, 2/3 e 90% dos direitos de voto.

Amorim Energia, B.V. 

Nº de direitos de voto: 276.472.161
% de direitos de voto: 33,34%

Amorim Energia tem a sua sede nos Países Baixos e os seus acionistas são a Power, Oil & Gas Investments BV (com 35% do capital), a Amorim Investimentos Energéticos SGPS S.A. (20%) e a Esperaza Holding BV (45%). Enquanto a última sociedade é controlada pela Sonangol, E.P., empresa estatal angolana do sector petrolífero, as duas primeiras são controladas direta e indiretamente pela família Amorim.

Parpública - Participações Públicas 

Nº de direitos de voto: 62.021.340
% de direitos de voto: 7,48%

A Parpública - Participações Públicas, SGPS, S.A., gere participações financeiras do Estado português em várias empresas. 

BlackRock, Inc. 

Nº de direitos de voto: 41.449.604
% de direitos de voto: 4,998%

A BlackRock, Inc. é uma empresa gestora de investimentos, fundada em 1988 e com sede em Nova Iorque, EUA. A empresa está cotada na New York Stock Exchange (NYSE).

Atualizado a 16 de janeiro de 2019.

T. Rowe Price Group, Inc.

Nº de direitos de voto: 17.424.072
% de direitos de voto: 2,10%

A T. Rowe Price Group, Inc. é uma empresa gestora de investimentos, fundada em 1937 e com sede em Maryland, EUA. A empresa está cotada na Nasdaq.

Atualizado a 19 de novembro de 2018.

The Capital Group Companies, Inc.

Nº de direitos de voto: 19.046.477
% de direitos de voto: 2,30%

A The Capital Group Companies, Inc. é uma empresa gestora de investimentos, fundada em 1931 e com sede em Los Angeles, EUA. 

Atualizado a 22 de agosto de 2019.

Capital Research and Management Company

Nº de direitos de voto: n.a.
% de direitos de voto: 2,02%

A Capital Research and Management Company é uma subsidiária da The Capital Group Companies, Inc..

Atualizado a 22 de agosto de 2019.

Massachusetts Financial Services Company

Nº de direitos de voto: 17.098.915
% de direitos de voto: 2,06%

A Massachusetts Financial Services Company é uma empresa gestora de investimentos, fundada em 1924 e com sede em Massachusetts, EUA. 

Atualizado a 18 de julho de 2019.

Aquisição e alienação de ações próprias

Na Assembleia Geral de acionistas realizada no dia 12 de abril de 2019 foi aprovada a proposta referente à aquisição e alienação de ações próprias.

Assim, o Conselho de Administração da Galp pode decidir sobre a aquisição e alienação de ações próprias com base nos termos constantes da proposta:

  • O Conselho de Administração poderá decidir sobre a aquisição ou alienação de ações próprias no prazo de dezoito meses a contar da data de deliberação em Assembleia Geral;
  • O número de ações a adquirir não poderá exceder 10% do capital da Empresa em cada momento;
  • O momento da aquisição será determinado pelo Conselho de Administração, tendo em conta a situação do mercado, os objetivos visados com a aquisição, as conveniências e obrigações da Sociedade, podendo ser efetuada por uma ou mais vezes, nas proporções que forem determinadas;
  • O momento da alienação será também determinado pelo Conselho de Administração, tendo em conta a situação do mercado, os objetivos visados com a alienação, as conveniências e obrigações da Sociedade, podendo ser efetuada por uma ou mais vezes, nas proporções que forem determinadas.

Para informação detalhada sobre os termos relativos à aquisição e alienação de ações próprias, consulte abaixo a proposta submetida à Assembleia Geral.