Envolvimento com o Sistema Científico e Tecnológico

O investimento em novo conhecimento é vital para a criação de uma cultura de inovação sustentável e diferenciadora. Neste sentido, temos vindo a desenvolver uma estratégia de I&DT e de Inovação assente numa cooperação reforçada com o Sistema Científico e Tecnológico (SCT), baseada numa dinâmica de rede de competências partilhadas, ágil e em permanente desenvolvimento.

 

 

 

A Galp criou, junto de seis das mais prestigiadas instituições do ensino superior nacional, o ISPG - Instituto do Petróleo e Gás, uma iniciativa inédita em Portugal, que visa estabelecer uma ligação entre o mundo académico e o empresarial, e que inclui na sua oferta académica, o Mestrado em Engenharia de Petróleo. O ISPG tem por objetivo o desenvolvimento, a transmissão e difusão da ciência e tecnologia aplicada às atividades da fileira energética, em especial do petróleo e gás. Tem o intuito de potenciar a competitividade das indústrias de energia através da formação avançada de quadros técnicos e da criação de uma rede de cooperação entre empresas, instituições de ensino superior e outras entidades públicas e privadas de I&DT e de inovação industrial.

Em 2014 arrancou a primeira edição do Mestrado em Engenharia do Petróleo, uma iniciativa pioneira em Portugal, desenvolvida pelo ISPG e pela Galp, em conjunto com a universidade escocesa Heriot-Watt. Esta universidade é um dos centros de referência, a nível mundial, para a formação avançada e para o desenvolvimento de soluções no âmbito do E&P, com uma forte vertente de engenharia e especialização neste segmento de atividade.

Este mestrado é um programa de formação superior, que visa promover a formação avançada de quadros técnicos, o desenvolvimento de projetos que criem valor acrescentado dentro dos consórcios onde a Galp participa e a criação de uma rede de cooperação entre os consórcios, universidades e outros organismos de investigação do sector Oil & Gas. Consulte mais informações sobre o mestrado.

O Doutoramento Empresarial EnglQ tem como objetivo formar profissionais capazes de desempenhar um papel de relevo ao nível da investigação, desenvolvimento tecnológico, endogeneização de tecnologias, empreendedorismo e liderança em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. O programa até à data contou com os seguintes números:

  • 1860 horas de formação em 2018.
  • 10 Doutoramentos EngIQ concluídos em nove edições.

O Programa Doutoral em Meio Empresarial em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química define-se como um projeto de excelência ao nível do 3º Ciclo de Formação, fortemente orientado para a investigação em ambiente empresarial. Desenvolvido em estreita colaboração com a Galp e as empresas que o Polo de Competitividade das Indústrias de Petroquímica, Química e Refinação, assenta na experiência comprovada de investigação e de colaboração com a indústria dos docentes e investigadores, dos vários departamentos e laboratórios associados e centros de investigação proponentes.

Estão envolvidas no programa cinco prestigiadas universidades portuguesas:

Este programa visa um impacto direto nas empresas onde os formandos trabalham: neste sentido, a Galp não só acolhe oito doutorandos em meio empresarial, como também colocou quadros seus a frequentar o programa na modalidade de formação avançada.

Consulte mais informações sobre o programa EnglQ.

Em 2018 foi aprovada, pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), a constituição do Laboratório Colaborativo (CoLAB) NET4CO2 (NETwork for a Sustainable CO2 Economy - Rede para uma Economia de CO2 Sustentável), cujo objetivo é criar uma rede para uma economia sustentável de CO2.

Este Laboratório será constituído pela Galp, o Instituto Superior Técnico, a Faculdade de Engenharia do Porto (FEUP), o REQUIMTE (Rede de Química e Tecnologia), o International Iberian Nanotechnology Laboratory (INL) e a ChangePartners. A constituição do Laboratório Colaborativo está em curso sendo expectável a sua formalização durante 2019. Este laboratório será uma associação privada sem fins lucrativos fundada por seis parceiros industriais, científicos e académicos, onde as capacidades e competências técnicas de cada parceiro podem contribuir para o desenvolvimento de novas tecnologias para minimizar o impacto das emissões de CO2.

Imprimir

Partilhar: