Métricas de carbono

Métricas de carbono

Contribuímos de forma construtiva para o desenvolvimento de medidas apropriadas para superar os desafios da energia e clima.

Anualmente, a Galp monitoriza a pegada de carbono decorrente da sua atividade e cadeia de valor, englobando os âmbitos 1, 2 e 3 da sua atividade e cadeia de valor. 
  • Estamos comprometidos com a integralidade da análise das emissões decorrentes da nossa atividade e cadeia de valor, englobando não apenas as emissões diretas das nossas operações (âmbito 1), mas também as emissões indiretas decorrentes da eletricidade que adquirimos (âmbito 2) e das atividade na nossa cadeia de valor (âmbito 3).
Monitorizamos a pegada de carbono de forma regular e sistemática, considerando a sua evolução aquando da definição da estratégia, dos objetivos e metas.

Em 2018, realizámos uma revisão da metodologia de cálculo da pegada de carbono, promovendo o alargamento do mapeamento e reporte mais transparente das emissões indiretas, incluindo mais emissões de âmbito 3 como: bens e serviços adquiridos, atividades logísticas, viagens de negócios, processamento de produtos vendidos, uso de produtos e investimentos. Esta atualização está alinhada com as melhores práticas aplicáveis ao sector Oil & Gas e com a análise de materialidade das fontes de emissão...

Pegada de Carbono

As emissões decorrentes da nossa atividade e cadeia de valor em 2019.

t CO₂e - toneladas de dióxido de carbono equivalente

Nota metodológica: A pegada de carbono da Galp é anualmente elaborada segundo o quadro metodológico estabelecido pelo The GreenhouseGas Protocol – Corporate Accounting and Reporting Standard, complementado pela respetiva adaptação sectorial promovida pela International Petroleum Industry Environmental Conservation Association (IPIECA) – Compendium of Greenhouse Gas Emissions Methodologies for the Oil and Gas Industries.

Pressupostos: 1) Foram considerados os Global Warming Potential (GWP) for 100-year time horizon. Fonte: IPCC Fourth Assessment Report (AR4). 2) Inclui as emissões totais de Gás Flaring (Routine e Non-Routine).

Consulte a nossa pegada de carbono em maior detalhe nos indicadores de desempenho da Galp.

Intensidade Carbónica

O paradigma energético do mundo está em mudança e a Galp (ou a Empresa) pretende ter um papel ativo na transformação da oferta energética juntando-se aos esforços globais para fazer frente aos desafios postos pelas alterações climáticas e cumprir os objetivos propostos no Acordo de Paris.

A Galp está empenhada em garantir a integridade e transparência na comunicação da sua performance ambiental, incluindo no que diz respeito às emissões de Gases de Efeito de Estufa (GEE).

Desta forma, desenvolvemos uma metodologia para calcular e avaliar a nossa intensidade carbónica, o que nos permite não só responder ao desafio da redução das emissões decorrentes das nossas operações como também responder ao desafio futuro de satisfazer um aumento de procura de energia com uma menor pegada de carbono.

Uma intensidade carbónica é um rácio que reflete a quantidade de emissões de GEE por unidade de energia entregue ao cliente. Esta métrica reflete não só o impacto da eficiência das operações, como as emissões associadas aos processos de produção da energia que será entregue ao cliente final Galp. Como tal, é uma ferramenta importante na monitorização e avaliação do desempenho ambiental de empresas integradas de energia e das suas estratégias de evolução.

O indicador de intensidade carbónica Galp quantifica a quantidade de equivalente de emissões de CO2 por unidade de energia (gCO2e/MJ) fornecida a cliente final. Produtos não energéticos como lubrificantes e petroquímicos não estão, portanto, incluídos nesta métrica.

A intensidade calculada aplica-se então a todos os produtos energéticos vendidos pela Galp (incluindo subsidiárias) ao seu cliente final (combustíveis líquidos, gás e eletricidade) e inclui as emissões de GEE libertadas para a atmosfera durante o ciclo de vida destes produtos[1], ou seja, durante a sua produção, transporte, transformação, distribuição e consumo (uso final de produto). As mesmas emissões são calculadas para produtos comprados a terceiros e vendidos ou transformados pela Galp.
 


Representação esquemática dos balanços e integrações feitos ao longo das cadeias de valor dos produtos energéticos Galp. A laranja as emissões calculadas a partir de operações Galp e a cinzento as emissões calculadas para produtos comprados a terceiros usando fatores de emissão externos e as emissões de uso final de produto.

São recolhidos os dados relativos a emissões de GEE das nossas atividades nos segmentos Upstream, Refining & Midstream, Commercial, Renewables e New Businesses. Sempre que a Galp tem controlo operacional sobre uma determinada atividade, são consideradas 100% das emissões de âmbito 1 e 2 dessa atividade. Caso a empresa não tenha controlo operacional, a sua participação nesse ativo é tida em consideração aquando da contabilização das emissões e energia por este produzidas.

A metodologia foi validada pela entidade independente externa PwC que verificou que a metodologia foi corretamente aplicada e referenciada e que os pressupostos e dados utilizados nos cálculos eram apropriados e bem substanciados.

 

[1]  À exceção da eletricidade, onde as emissões relacionadas com a extração e transporte dos combustíveis usados na geração de eletricidade não são estimados devido à falta de informação e à sua baixa materialidade.

 

Imprimir

Partilhar: