Fundamentos do gás natural e da eletricidade

Conheça as informações essenciais sobre as características e cadeia de valor do gás natural e da eletricidade.

Gás natural

O gás natural terá um papel fundamental na transição para uma economia de menor intensidade de carbono, constituindo‑se como alternativa natural ao carvão, cujo consumo deverá reduzir‑se, enquanto suporte de retaguarda para a intermitência das energias renováveis na geração de eletricidade.

O que é o gás natural?

O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves encontrada no subsolo, na qual o metano tem uma participação superior a 70% em volume.

Origem

O gás natural é encontrado no subsolo, por acumulações em rochas porosas, isoladas do exterior por rochas impermeáveis. É o resultado da degradação da matéria orgânica de forma anaeróbica, oriunda de quantidades extraordinárias de micro-organismos. Essa matéria orgânica degradou-se fora do contacto com o ar, a grandes temperaturas e sob fortes pressões.

Composição

A composição do gás natural pode variar consoante o campo em que o gás é produzido, o processo de produção, o condicionamento, o processamento e o transporte. Geralmente, tem uma densidade menor que 1 (mais leve do que o ar) e poder calorífico superior entre 8.000 e 10.000 kcal/m³, dependendo dos teores de pesados, sobretudo etano e propano, e de inertes, nomeadamente o nitrogénio e o gás carbónico.

Cadeia de valor

Até chegar aos clientes finais, o gás natural passa por um conjunto complexo de processos e atividades, que variam em função da distância e dos recursos de transporte disponíveis.

O transporte de gás natural até ao cliente final é realizado através de gasoduto e, para distâncias mais longas, através de navios metaneiros. A Galp aprovisiona gás natural, tanto por via de gasodutos, quer por recurso a GNL.

O transporte de gás natural por via marítima exige que o gás seja sujeito a um processo de arrefecimento (-160º) de modo a manter o estado líquido (gás natural liquefeito) a uma pressão ligeiramente mais elevada do que a pressão atmosférica. Nos terminais de destino, o gás é novamente transformado para o estado gasoso, de modo a ser injetado na rede de distribuição.

Saiba mais sobre as fontes de aprovisionamento da Empresa.

A existência de ligação por gasoduto de alta pressão na proximidade dos locais de processamento e distribuição é o fator mais importante para a configuração da cadeia de valor do gás natural.

Junto aos locais de consumo, o gás natural é distribuído através de uma rede complexa que cobre as principais áreas de consumo, nomeadamente os clientes industriais e de retalho. A Galp participa neste negócio através da sua empresa associada Galp Gás Natural Distribuição.

Saiba mais sobre a atividade de gestão de infraestruturas reguladas de distribuição.

Eletricidade

O consumo mundial de energia encontra-se num processo de eletrificação, suportado pela transição tecnológica digital dos últimos anos. Paralelamente, assistiu-se ao desenvolvimento de uma indústria de energias renováveis, cuja competitividade com as energias fósseis tem vindo a aumentar, suportada não só na redução de custos, mas também por políticas públicas de cumprimento de metas ambientais.

O que é a eletricidade?

A eletricidade é o conjunto de fenómenos físicos associados à presença e fluxo de carga elétrica, que incluem, entre outros, os relâmpagos, a eletricidade estática e as correntes elétricas.

A energia elétrica resulta da existência de cargas elétricas negativas (elétron) que, quando em contacto com um condutor elétrico, formam uma corrente elétrica devido à diferença de potencial entre os seus extremos.

A eletricidade pode ser produzida com recurso a diferentes fontes de energia:

  • Origem renovável: Solar, éolica, hidráulica e geotérmica;
  • Combustíveis fósseis; Carvão, petróleo ou gás.

A Galp produz eletricidade quer com recurso a gás, nas suas cogerações, quer por via eólica. Saiba mais mais sobre as atividades de power da Galp.

Cadeia de valor

A cadeia de valor no setor elétrico integra a produção, transporte, distribuição, comercialização e consumo de energia elétrica.

A Rede Nacional de Transporte (RNT) em Portugal é operada ao abrigo de um regime de concessão exclusiva atribuída pelo Estado português, atualmente concedida à Redes Energéticas Nacionais (REN).

A produção está em funcionamento em contexto de concorrência, dividindo-se nos regimes ordinário e especial.

Já a distribuição processa-se através da exploração da Rede Nacional de Distribuição, constituída por infraestruturas de muito alta, alta, média e baixa tensão. Estas são operadas sob contratos de concessão entre municípios e distribuidoras.

Os comercializadores de eletricidade compram e vendem eletricidade livremente no mercado, tendo acesso às redes de transporte e distribuição mediante o pagamento de tarifas estabelecidas pelo regulador ERSE. O negócio de comercialização da Galp insere-se nesta fase da cadeia de valor. Saiba mais sobre esta atividade.

Imprimir

Partilhar: