Alterações climáticas

Temos o objetivo de manter um portefólio de negócios equilibrado e integrado, com foco na incorporação de tecnologias de baixo carbono.

Respondendo aos desafios energéticos

O paradigma da energia no Mundo está a mudar e a Galp ambiciona ter um papel ativo nesta transformação, nomeadamente através de:

  • Adaptação do nosso portefólio às necessidades futuras, sempre que possível em sinergia com a atividade presente;
  • Consolidação do conhecimento necessário para a diversificação dos nossos ativos, com consequente mitigação de riscos decorrente da redução da sua intensidade carbónica;
  • Desenvolvimento de soluções inovadoras e diferenciadoras que promovam a transição para uma economia de baixo carbono suportadas por fontes de energia renováveis.

De forma a garantir a sustentabilidade da Empresa, testamos a resiliência da nossa estratégia a diversos cenários do paradigma futuro da energia. A antecipação dos riscos e oportunidades associados a cada cenário é fundamental para maximizar a criação de valor a longo prazo.

Construímos quatro cenários contrastantes, tendo em conta diferentes níveis de disrupção tecnológica e de política regulatória, sendo estas as incertezas que consideramos críticas para o sector energético.

Mix da procura de energia primária total em 2040 por cenário (bn toe)

 

Para que a Galp mantenha um desenvolvimento sustentável nos vários cenários projetados, refletimos na nossa estratégia as grandes linhas orientadoras que visam garantir uma organização resiliente e ágil, preparada para um mundo complexo e incerto.

A estratégia da Galp mantém-se focada no desenvolvimento de um portefólio, suportado por soluções inovadoras e diferenciadoras, respondendo aos desafios da transição para uma economia de baixo carbono.

 

Gerimos o risco como uma oportunidade

Ciente dos riscos e oportunidades que advêm de uma transição para uma economia de baixo carbono, a Galp assumiu o compromisso estratégico de gradualmente diversificar o portefólio para energias que provoquem menos emissões de carbono e para novos modelos de negócio.

Os riscos e oportunidades associadas às alterações climáticas integram os processos de formulação estratégica da Empresa e são supervisionados pelo Conselho de Administração (CA) e pela Comissão Executiva (CE) através do Comité de Sustentabilidade e do Comité de Risco.

A gestão do carbono ao longo da nossa cadeia de valor

A Galp integra requisitos de sustentabilidade que são considerados nos processos de tomada de decisão associados às diferentes etapas de desenvolvimento dos projetos, ao longo de todo o ciclo de vida.

Acreditamos que ao incorporarmos um preço de carbono (40$/ton) como critério de avaliação nos projetos de investimento de médio e longo prazo, estamos a trabalhar para a adoção de soluções tecnológicas mais eficientes e sustentáveis, com impacte direto sobre a redução da intensidade carbónica das atividades.

Avaliamos a sustentabilidade e resiliência do nosso portfólio, que deverá ser competitivo, rentável e ambientalmente eficiente. Dimensionamos os nossos projetos de acordo com as melhores práticas disponíveis aplicáveis à indústria O&G

Suportamos o Comércio Europeu de Licenças de Emissão como instrumento de referência da União Europeia (UE), dentro do quadro europeu para a energia e clima. Acreditamos na eficácia deste mecanismo de mercado e na responsabilização que promove para a redução de emissões no setor elétrico e na indústria. Além do mais, contempla mecanismos apropriados para proteção contra a fuga de carbono, com o objetivo de proteger a indústria da UE após 2020.

Temos como objetivo a contínua redução da intensidade carbónica das nossas atividades, estando ainda focados em desenvolver novas soluções e oportunidades de negócio sustentadas por um portefólio de fontes de energia renovável competitivo e diferenciado.

Métricas e targets

Temos vindo a reduzir continuamente a intensidade carbónica das nossas atividades e monitorizamos a nossa pegada ambiental.

Estabelecemos objetivos e metas para avaliar a gerir os riscos e oportunidades conforme a materialidade da nossa atividade.

Participamos de forma ativa e transparente nas iniciativas globais de resposta às alterações climáticas

Adesão à Task Force on Climate-related Financial Disclosures

Assumimos a importância de uma liderança responsável que integre os desafios climáticos na sua estratégia. O apoio da Galp à Task Force on Climate-related Financial Disclosures reflete o compromisso para com a promoção de uma relação mais equilibrada entre a satisfação das necessidades energéticas e minimização da intensidade carbónica da nossa atividade, bem como com o reporte transparente da informação relacionada com o clima.

Saiba mais sobre esta iniciativa.

CDP

A Galp foi a única empresa do setor da energia que obteve a classificação "A" no ranking do clima.

Em 2017, a Galp foi reconhecida pelo CDP – Disclosure Insight Action como uma empresa líder na estratégia e gestão das alterações climáticas, pelo terceiro ano consecutivo. A participar pela primeira vez na categoria da água, a Galp foi distinguida como empresa líder pelas práticas de redução, reutilização e reciclagem de água. A Galp considerada uma das 25 empresas a atingir o score mais elevado (Lista A), tanto nas categorias de clima como de água.

Saiba mais sobre esta iniciativa.

Zero Routine Flaring by 2030 do World Bank Group

Em 2015 aderimos, como operador de exploração e produção, à iniciativa de Zero Routine Flaring by 2030. O nosso objetivo é dimensionar os novos projetos de E&P para o zero flaring, em condições de operação normal.

Saiba mais sobre esta iniciativa.

We mean business

Aderimos à coligação We Mean Business, integrada na iniciativa da NAZCA Tracking Climate Action da United Nations Framework Convention on Climate Change (UNFCC).

Esta plataforma, formada por um conjunto de organizações que trabalham com o setor empresarial e investidores à escala mundial, promove a transição para uma economia de baixo carbono. A plataforma impulsiona ainda uma ação climática proativa, incentivando a criação de novos marcos políticos no âmbito das alterações climáticas.

Saiba mais sobre esta iniciativa.

Roteiro para a neutralidade carbónica 2050 em Portugal

O Governo Português lançou esta iniciativa com o objetivo de estudar da viabilidade técnica e económica de trajetórias de redução das emissões de gases com efeito de estufa (GEE) em Portugal até 2050, para uma economia competitiva e de baixo carbono. A Galp tem acompanhado ativamente como parte interessada e através do grupo de trabalho no BCSD Portugal o desenvolvimento e concretização deste estudo.

Saiba mais sobre esta iniciativa.

Meet 2030

Projeto coordenado pelo BCSD Portugal, em colaboração com as restantes empresas associadas, a Galp promoveu e liderou o projeto Meet 2030, que teve como objetivos:

  • Criar cenários para Portugal em 2030 para alcançar a neutralidade carbónica;
  • Identificar potenciais novos setores de atividade económica, inovação em processos e produtos, bem como as vantagens competitivas para as empresas manterem um crescimento sustentável a médio e longo prazo;
  • Identificar as soluções com maior valor acrescentado e contribuir para uma policy action, que permita definir prioridades estratégicas a nível nacional e internacional.

O estudo projeta o crescimento económico de Portugal, assumindo a diminuição da intensidade carbónica como vetor de crescimento e desenvolvimento económico e como catalisador de mudança nos modelos de negócio, de acordo com o Acordo do Clima de Paris (COP 21).

Saiba mais sobre esta iniciativa.

Desenvolvimento de novos modelos energéticos para um novo paradigma de mobilidade

Enquanto operadores de referência em Portugal temos vindo a analisar e dinamizar novos modelos energéticos para a mobilidade. Embora a taxa de introdução dos veículos elétricos (VE) a longo prazo constitua uma incerteza, esta poderá ser acelerada num cenário de regulação mais favorável à descarbonização da economia.

Neste contexto, continuamos a aumentar a rede de carregamento rápido de veículos elétricos, que prevemos que atinja um total de 40 pontos de carregamento rápido instalados até 2020, dos quais 18 já em funcionamento no final de 2017, em parceria com a Mobi.e e com as principais marcas de automóveis.

Mais sobre alterações climáticas

Imprimir

Partilhar: