Alterações climáticas e Transição energética

Alterações climáticas e Transição energética

Mantemos um portefólio de negócios equilibrado e integrado, com foco na incorporação de soluções de baixo carbono.

Respondendo aos desafios climáticos e energéticos

O paradigma da energia no Mundo está a mudar e a Galp ambiciona ter um papel ativo na transição energética, nomeadamente através de:

  • Adaptação do nosso portefólio às necessidades futuras, sempre que possível criando sinergias com as atividades existentes;
  • Diversificação dos nossos ativos, com consequente mitigação de riscos decorrente da redução da sua intensidade carbónica;
  • Desenvolvimento de soluções inovadoras e diferenciadoras que promovam a transição para uma economia de baixo carbono.

Análise de cenários

À medida que o ritmo da transição energética acelera, os mercados têm de se adaptar. O contexto atual é de um mundo que assistirá a uma rápida mudança nas perspetivas energéticas e a um aumento dos investimentos em energias renováveis e tecnologias associadas para cumprir os objetivos do Acordo de Paris.

O planeamento estratégico da Galp baseia-se num conjunto de convicções energéticas com um pressuposto comum de que uma transformação profunda terá impacto no sector energético durante esta década em direção a um futuro mais limpo:

  • Pressão social e regulamentar no sentido de acelerar o ritmo da descarbonização;
  • Aumento de consumo de eletricidade com o aumento significativo previsto nas vendas de veículos elétricos;
  • As energias solar e eólica tornam-se fontes de energia relevantes;
  • Hidrogénio verde/azul ganham ímpeto com a emergência de opções viáveis;
  • Ambição estratégica da União Europeia em construir uma cadeia de valor integrada de baterias de iões de lítio;
  • Diminuição significativa da procura de petróleo na Europa, levando a uma onda de racionalização das refinarias;
  • Mistura energética global mais eletrificada, embora o petróleo e o gás mantenham um papel crucial durante alguns anos.

A Galp atualizou em 2021 a sua estratégia para o investimento resiliente numa transição energética acelerada. A Galp pretende reformular o seu portefólio e tornar-se uma empresa dinâmica e digitalmente orientada para o cliente, com uma posição material nas energias renováveis e novas energias, e com as operações industriais a serem progressivamente descarbonizadas e transformadas em um green energy hub.

A estratégia da Empresa origina um caso de investimento orientado para a criação de valor, que se baseia numa estrutura clara de alocação de capital, alocando cerca de 50% de seus investimentos líquidos no período 2021-25 a atividades de baixa intensidade carbónica.

De forma a garantir que a empresa está preparada para possíveis disrupções na transição energética, a Empresa inclui no seu planeamento estratégico um cenário exigente e credível baseado numa transição energética acelerada, em que variáveis chave foram mais acentuadas de forma a refletir condições macroeconómicas mais desafiantes no futuro que as tradicionalmente assumidas.

O planeamento estratégico da Galp é revisto periodicamente e toma em consideração os riscos e oportunidades associados com as alterações climáticas a curto, médio e longo prazo e os seus impactos nas linhas estratégicas da empresa e na sua competitividade.

Os Planos de Negócios anuais e as decisões de investimento relevantes são acompanhadas por uma análise do seu impacto nas emissões e metas de redução de emissões da empresa, assegurando o seu alinhamento com a estratégia de descarbonização e transição energética.                                                                                                         

 

Procuramos desenhar uma estratégia que responda ao contexto atual e ao futuro da energia e da mobilidade, garantindo a resiliência e a agilidade da Galp num mundo cada vez mais complexo, rápido e em constante mudança.

Estamos focados no desenvolvimento de negócios sustentáveis e geradores de valor, enquanto empresa integrada de energia, através de um portfólio diferenciado, que vai da produção de petróleo e gás natural às energias renováveis, de uma base industrial orientada para as novas necessidades de mercado, através da adaptação, eficiência e transformação contínua dos processos, e de soluções comerciais mais inovadoras que promovam a transição energética dos nossos clientes e consumidores.

 

Riscos climáticos

A Galp tem trabalhado na categorização dos riscos climáticos físicos e de transição nas suas atividades. Esta análise visa avaliar a resiliência da nossa estratégia de acordo com diferentes cenários, bem como identificar os riscos e oportunidades mais relevantes.

Para assegurar uma gestão adequada destes riscos, a Empresa definiu a sua Política de Gestão de Risco que define objetivos, processos e responsabilidades, permitindo à Galp estabelecer uma estrutura de gestão de risco robusta e gerir a exposição ao risco de acordo com o Apetite para o Risco da Empresa, assegurando simultaneamente o cumprimento da conformidade legal, regulatória e ética em todos os segmentos de negócio.

As diretrizes da Política de Gestão de Risco identificam, avaliam e gerem os riscos e oportunidades associados à estratégia da Empresa, incluindo riscos e oportunidades emergentes. Em 2021, a Galp identificou os riscos climáticos como um risco principal.

A Galp integrou as recomendações do TCFD na identificação destes riscos climáticos. Variáveis físicas crónicas (como o aumento da temperatura média, número de dias extremamente quentes e frios, vento médio, precipitação média, subida do nível do mar) e agudas (frequências de eventos extremos como precipitação, vento e probabilidade de incêndio) bem como variáveis de mercado (preços de CO2 e da eletricidade, margem de refinação e procura de petróleo & gás) foram recolhidas para estimar o impacto dos riscos climáticos nas operações da Galp e o value at risk.

No âmbito do plano de mitigação e adaptação desenvolvido, com medidas para evitar ou reduzir os riscos associados e fomentar as oportunidades, a Galp apresentou uma estratégia renovada para regenerar o seu Portfólio, renovar Relações e reenergizar as Pessoas. A Galp vai ampliar o negócio das renováveis, expandir a posição na cadeia de valor de eletricidade e desenvolver novas energias para acelerar a descarbonização, com a ambição de se tornar neutra em carbono até 2050.

Para mais informações sobre a estratégia renovada da Galp, consulte a nossa Estratégia.

 

Gerimos o risco como uma oportunidade

Integramos e avaliamos os riscos e oportunidades de transição energética e alterações climáticas através de uma abordagem holística de gestão do risco. Alinhados com o contexto, identificamos riscos e oportunidades financeiros e não financeiros, procuramos metodologias e métricas para os avaliar e integrar no negócio e estratégia, e desenvolvemos iniciativas, planos de ação e metas para mitigar riscos e explorar oportunidades.

Os riscos e oportunidades associadas às alterações climáticas e transição energética integram os processos de definição e execução estratégica da Galp, supervisionados pelo Conselho de Administração (CA) e pela Comissão Executiva (CE), com uma participação ativas dos comités especializados nestes temas, como a Comissão de Sustentabilidade, a Comissão de Gestão de Risco, a Comissão de Remuneração e o Conselho Fiscal.    

 

A Galp integrou as recomendações da TCFD para a avaliação de riscos climáticos e alinhou a sua taxonomia e diccionario de riscos com as recomendações desta entidade. Acompanhamos e analisamos continuamente os principais riscos de transição, nomeadamente os riscos tecnológicos, de concorrência, jurídicos, regulatórios de mercados, e reputacionais bem como os riscos físicos, agudos e crónicos potencialmente causados por eventos disruptivos e alterações de variáveis físicas a longo termo resultantes das alterações climáticas.
Riscos de transição energética

Cientes dos desafios inerentes a uma transição para uma economia de baixo carbono, assumimos o compromisso estratégico de gradualmente diversificar o portefólio, integrando soluções energéticas que provoquem menos emissões de carbono e para novos modelos de negócio. Enquanto player totalmente integrado de energia, a nossa presença no mercado atual coloca-nos numa posição forte para integrarmos os nossos atuais produtos com novos serviços e modelos de negócio, nomeadamente no processo de descarbonização da economia.

A gestão do carbono ao longo da nossa cadeia de valor

A Galp integra as questões do clima e da sustentabilidade, através de mecanismos e requisitos que são considerados nos processos de tomada de decisão associados às diferentes etapas de desenvolvimento dos projetos, ao longo de todo o ciclo de vida.

Participamos de forma ativa e transparente nas iniciativas globais de resposta às alterações climáticas e transição energética

Task Force on Climate-related Financial Disclosures (TCFD)

Assumimos a importância de uma liderança responsável que integre os desafios climáticos na sua estratégia. O apoio da Galp às recomendações da Task Force on Climate-related Financial Disclosures reflete o compromisso com a promoção de uma relação equilibrada entre a satisfação das necessidades energéticas e minimização da intensidade carbónica da nossa atividade, bem como com o reporte transparente da informação relacionada com o clima.

Saiba mais sobre esta iniciativa e veja aqui o nosso alinhamento aos requisitos da TCFD.​

Zero Routine Flaring by 2030 do World Bank Group

Em 2015 aderimos, como operador de exploração e produção, à iniciativa de Zero Routine Flaring by 2030. Estamos comprometidos com o objetivo de dimensionar os novos projetos de E&P para zero flaring, em condições de operação normal.

Saiba mais sobre esta iniciativa.

We mean business

Aderimos à coligação We Mean Business, integrada na iniciativa da NAZCA Tracking Climate Action da United Nations Framework Convention on Climate Change (UNFCC).

A Galp assumiu o compromisso de take action, especialmente nas questões climáticas. Através do compromisso de utilização de um preço interno de carbono nos processos de tomada de decisão de investimento, do compromisso corporativo assumido na Política de Alterações Climáticas e do compromisso em implementar as recomendações da TCFD.

Esta plataforma, formada por um conjunto de organizações que trabalham com o sector empresarial e investidores à escala mundial, promove a transição para uma economia de baixo carbono. A plataforma impulsiona ainda uma ação climática pró-ativa, incentivando a criação de novos marcos políticos no âmbito das alterações climáticas.

Saiba mais sobre esta iniciativa.

Imprimir

Partilhar: